REFORMA DA PREVIDÊNCIA
10/06/2019 16:56 em Novidades

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

PARA JOSÉ PRESTES É HORA DE NEGOCIAR

 

 O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Giruá, José Ribeiro Prestes, um dos principais articuladores da região e  estado, nas mobilizações em prol da Agricultura Familiar, falou sobre a Reforma da Previdência, em entrevista ao programa Contato Direto (10/06). Prestes disse que os trabalhadores rurais já fizeram as suas manifestações pacíficas, citando a mais recente em Santa Cruz do Sul, salientando que a FETAG não participação como entidade de outras manifestações que estão sendo convocadas.

         Para o líder sindical, agora é o momento de negociar diretamente com o Congresso e Governo Federal, seguindo uma tradição do movimento sindical rural. Prestes lembrou que assim foi na Constituinte em 1986 e em tantas outras demandas que asseguraram conquistas para a classe trabalhadora que é   responsável pela produção de alimentos.

           José Ribeiro Prestes disse que é favorável a uma Reforma na Previdência, desde que efetivamente combata os privilégios das chamadas super aposentadorias. Entretanto,  se mostrou contrário ao sistema de capitalização proposto pelo ministro Paulo Guedes, pois seria inviável para as populações rurais.

            As principais reivindicações do Movimento Sindical ligado à CONTAG, destacados pelo presidente do STR local, são:

             -Manutenção da idade mínima de 55 anos para a aposentadoria da mulher trabalhadora rural. O governo propõe 60 anos.

              -No caso do homem rural, a proposta do governo mantém a idade mínimo vigente de 60 anos. Neste ponto a proposta não prevê alteração.

              -Manutenção do atual sistema contribuitivo  incidente sobre a produção.

               -Manutenção do atual tempo mínimo de contribuição que é de 15 anos. O governo propõe 20 anos.

              -Manutenção das atuais regras para a concessão do benefício BPC, aos 65 anos, com o benefício de 01 salário mínimo.

                -Extinção no ponto proposto na Reforma da Previdência que permite a desconstitucionalização dos direitos previdenciários.

               A crise fiscal que afeta as finanças públicas foi outro assunto levantado por José Prestes. Para ele, seria necessária uma Auditoria na Dívida Pública que até hoje ninguém teve coragem de fazer. Prestes criticou Lula e Dilma, que  prometeram investigar a dívida, mas quando no governo,  sempre vetaram qualquer tentativa de auditar a enorme dívida pública do Brasil, que nunca parou de crescer e se aproxima dos 05  trilhões de reais.

*Jaime Flores

 

 

COMENTÁRIOS